Contos eróticos e histórias picantes reais

Atrás sinto desejo no meu corpo

Atrás sinto desejo no meu corpo

By

Sobre mim sou Daniela casada há onze anos tenho 37 anos loira cabelos até os ombros rosto bonito olhos cor de mel, boca grande, seios médios, cintura fina, bunda média para grande, coxas e pernas torneadas, vagina grande com lábios saliente com um clitóris bem pontudo e duro que forma um conjunto delicioso com o meu anus rosa, tenho o corpo bem desenvolvido 1,76 cm de altura, tenho uma filha de seis anos linda somos do bairro Moinho Velho, SP.

O que vou relatar foi uma experiência que vivi após uma separação ingrata pelo meu maridinho que durou mais de um ano e meio, ele só transava na posição papai e mamãe e gozava rapidinho me deixando sem gozar eu sempre tinha que me masturbar sozinha.

Além disso o meu maridinho não tem uma rola grande e isso faz muita diferença para a mim. Com o passar dos anos vinha crescendo dentro do meu corpo uma vontade imensa pra ter relações anal, no entanto eu me sentia incompleta, queria algo a mais e já não conseguia suportar essa vontade. Fiz todo o possível pra realizar com o meu maridinho, mas aí tive uma grande decepção, ele me disse que esse não era sua vontade e diminuiu o interesse dele por mim até chegar ao ponto de ele ir morar na casa da mãe dele no interior de SP.

Passaram cinco meses e conheci o Fábio, um rapaz de 28 anos. Minha irmã achou estranho por ele ser bem mais novo do que eu, mas sua simpatia me encantou e a minha irmã também. Na segunda semana eu mesma o convidei pra nós irmos numa balada. Na volta, no meu carro, fui levar ele pra sua casa, parei em frente sua casa e eu mesma comecei a seduzir o Fábio.

Abri os botões da minha blusa e dirigi o bico do meu seio direito pra ele mamar, ele foi chupando com sua boca macia me deixando louca. Levantei minha saia até a barriga e afastei minha calcinha. Peguei sua mão esquerda pra ele sentir e apertar o bico do meu clitóris que estava imenso e duro. Depois ele tentou enfiar os dedos na minha boceta, mas eu não permiti dizendo que estava casada.  Ele, muito gentil, aceitou, mas ficou triste, mas voltei pegar sua mão e coloquei para alisar o bico do meu clitóris e me fez gozar gostoso. Depois abri minhas pernas e mandei ele secar minha boceta com sua língua.

Eu nunca tinha recebido a língua do meu maridinho na minha boceta. Fechei os meus olhos e segurei a cabeça do Fábio no meio das minhas pernas, esfreguei a minha boceta na boca dele e mandei ele enfiar a língua até onde ele conseguia. Tive outro gozo intenso, fiz ele engolir toda a minha porra branca, percebi que ele é um rapaz experiente e louco pra chupar uma boceta. Sentia ele passando a língua e enfiando no meu cuzinho com prazer sem ter nojo do meu corpo, em seguida ele enfiou um dedo com carinho.

Aiii que gostoso! Fábio enfia mais um dedo!

Coisas que eu jamais havia recebido do meu maridinho, com os dedos enfiado no meu cuzinho, ele voltou a chupar o bico do meu clitóris pontudo como se fosse uma pica fazendo pressão com seus lábios na cabeçinha já dura e aí eu não suportei mais. Segurei firme sua cabeça, fiz o Fábio colocar minha boceta por inteira na sua boca e gozei intensamente tudo o que eu tinha direito…

Agora eu precisava retribuir os prazeres que ele tinha me dado. Abaixei sua calça junto com a cueca e me encontrei com uma linda pica. Passei minha mão nela e notei que era bem grossa e longa. Só a cabeça que era pequena, mas depois o corpo vai engrossando ficando imenso. Com certeza a pica do meu maridinho chega na metade.

Coloquei o pau dele na minha boca, meio sem jeito pois já fazia anos que o meu maridinho não me deixava mais mamar, fui tentando colocar pelo menos metade na boca, aos poucos fui pegando o jeito. Mamava e chupava e com as duas mãos o punhetava. Fábio mordia os lábios, sua pica começou a inchar em minha boca e fiz ele explodir em jatos fortes de porra. Era a primeira vez que recebia uma gozada na minha boca. Após sentir o gosto, engoli até a última gota com prazer. Meu maridinho nunca me deu esse prazer delicioso.

Depois dessa noite maravilhosa que eu passei ao lado do Fábio, deixei ele entrar para sua casa e fui para a minha casa no meu carro. No outro dia agradeci a minha irmã por ter ficado com a minha filha, entrei em contato com o Fábio pelo celular e passando duas semanas comecei a preparar ele para tirar o lacre da minha bundinha, mesmo com um pouco de frio na barriga pelo tamanho da sua pica, mas não deveria ser maior do que uma dor de parto normal.

Minha vontade pra fazer sexo anal era demais, estava separada e era a minha chance após a muitos anos e eu Daniela não podia mais esperar… A VONTADE QUE VEM DE TRÁS NO MEU CORPO… É imenso desejo para ser enrabada.

Numa noite de sábado convidei o Fábio para jantar fora e a sobremesa seria o lacre do meu cuzinho…

Após o jantar eu convidei ele para irmos a um motel que eu já tinha reservado, pois poderíamos ficar mais à vontade. Peguei ele pela cintura e o levei para o meu carro.

De onde nós estávamos jantando até o motel não levou nem vinte minutos, próximo a via Anchieta. Chegamos e fomos à suíte. Logo comecei a tirar a roupa dele, eu já tinha saído de casa com um vestido vermelho bem justo e com um decote que deixa amostra parte dos meus seios ainda duros e sem calcinha. Sempre me vestia assim quando ia com meu marido em alguma festa, abaixei os braços e pedi para o Fábio soltar o zíper do meu vestido atrás.

Quando ele me viu nua e o vestido aos seus pés, ele disse “nossa que bunda linda!”

Eu respondi “essa é sua sobremesa, que o meu maridinho nunca quis comer! Agora prove e depois me diz se gostou.”

Eu me posicionei em pé, de costa pra ele, e comecei roçar minha bunda na sua pica. Parecia estar mais grossa, era demais! Dobrei meu corpo e apoiei minhas mãos na cama e ofereci minha bunda pra ele, ansiosa pra receber seu pau no meu cuzinho.

O Fábio foi passando sua pica especial no meu rego. O detalhe: a cabeça é pequena e fina no começo da glande, mas depois vai engrossando o corpo que fica imenso, mais ou menos uns 23 cm de extensão e 15 de espessura.

Ele se abaixou, encostando a cabeça em minha boceta, e tentou me penetrar com a língua. Eu virei meu corpo e fiquei em pé, abri os lábios da minha boceta com as mãos e mandei ele ajoelhar entre minhas pernas, ofereci o bico do meu clitóris pontudo que estava duro pra ele fazer uma chupetinha na cabecinha. Nossa, ele me deixou enlouquecida de tesão! Depois de um tempo virei de costa pra ele e peguei sua pica longa, e prendi no meio das minhas coxas e sussurrei no seu ouvido “é minha bunda que é sua sobremesa!” Subi na cama e fiquei de quatro com a bunda bem aberta e disse pra ele … O PRAZER QUE EU QUERO SENTIR É POR TRÁS… quero que você me realize por completa.

“Durante onze anos de casada meu marido nunca me deu esse presente, quero que você querido tire o lacre do meu cuzinho virgem sem me machucar!”

Após ouvir o que eu disse, ele beijou e chupou o meu cuzinho e me disse “fique calma, o seu desejo vamos realizar juntos”. Ele foi passando gel em dois dedos e ficou brincando na porta do meu cuzinho e aos poucos foi penetrando, sentia meu canal abrindo e dando passagem para seus dedos.

Ele com muito carinho enterrou os dedos repetidas vezes no meu cuzinho, deixando o canal bem lubrificado de gel. Eu, Daniela, quando senti que estava pronta e com aquela vontade imensa pra ser enrabada, mandei o Fábio deitar de costas na cama, e falei “deixa eu sentar na sua pica, somente eu faço a penetração”

Fiquei agachada em cima dele, com as pernas bem abertas, ajeitei sua pica que por estar lubrificada sai do meu cuzinho virgem até conseguir o encaixe certo a cabeça até que entrou fácil parei pra eu sentir o sabor.

Depois fui rebolando aos poucos, a cabeça pequena e a base da glande fina facilitaram. O pau dele foi deslizando aos pouquinhos, ele com as mãos segurava na minha bunda, mas quando iniciou a entrar a parte grossa ardia um pouco.

É normal, ele ia me dizendo, seu cuzinho parece um botão de cravo quando abre e isso só me deixava ainda com mais tesão. Aos poucos meu cuzinho engoliu a metade da sua pica, admito que senti um choque, parei de novo pra sentir o sabor da parte grossa, no fundo eu buscava essa vontade que eu sinto no meu corpo carente. Atrás também queria me satisfazer e o Fábio com sua pica especial estava inaugurando o meu cuzinho. Deitei meu corpo sobre o dele e virei meu rosto, procurei sua boca e o beijava loucamente com a metade da sua pica no meu cuzinho.

Ele alisava o bico pontudo do meu clitóris que estava duro com seus dedos e isso aumentava mais o meu desejo pra ser penetrada. Meu corpo queria mais suave, fui descendo minha bunda sentindo meu cuzinho engolindo sua pica, agora somente estava entrando a parte grossa, ardia mais, mas meu cuzinho estava se dilatando.

Fazia quase 15 minutos que eu estava agachada dando pra ele com mais uma descida da minha bunda, suportei até ao final, finalmente consegui eu mesma ser penetrada completamente.

Depois de um pouco mudei de posição, fiquei de lado com o Fábio atrás de mim encolhi minhas pernas e encostei nos meus seios e comecei a rebolar. Meu tesão aumentava cada vez mais, era tudo que eu sempre desejei: uma pica no meu cuzinho.

Ouvia os gemidos de prazer do Fábio, por ele estar me enrabando e eu Daniela estava realizada. Senti algo lá no fundo do meu cuzinho, algo ascendeu dentro de mim, sentia o meu primeiro orgasmo anal. Passei a mão na minha boceta, estava soltando uma cachoeira de porra branca. Nossa é demais de gostoso!

 

Em seguida ele depositou todo o seu leitinho dentro do meu cuzinho, continuei indo pra frente e pra trás com a minha bunda até que o Fábio soltasse os últimos pingos. Fiquei encaixada nele esperando sua pica amolecer, e toda feliz depois de onze anos de casada consegui ser enrabada. Pena que não foi com meu maridinho.

Sexo anal é um dos grandes prazeres que uma mulher pode sentir, quando o homem é carinhoso, é só ela mesmas ir fazendo a penetração aos poucos, sempre estimulando o biquinho do clitóris. É um dos orgasmos mais incríveis que senti no meu corpo. Depois dessa foda, onde eu fui inaugurada atrás, peguei o Fábio pela cintura e o levei para a banheira dei um gostoso banho nele, igual a mãe cuida de um neném. Enxuguei todo o seu corpo lindo, e depois me ajoelhei na banheira e fiquei beijando sua linda pica especial agradecendo-a por entrar no meu corpo atrás, sem me machucar, só me fazendo feliz.

Depois falei no ouvido do Fábio que o meu corpo atrás queria mais, mas ele disse que era melhor não pois a visita que eu tinha recebido era recente. eu insisti que ele podia meter em mim, que eu iria aguentar, eu disse que só iria arder um pouquinho na parte grossa depois eu me acostumava e ia ser muito gostoso para nós dois. Chupei bastante a pica dele no banheiro e o levei pra cama, fiquei de quatro com a bunda empinada na beirada da cama com os seios e a cabeça no travesseiro, mostrei o meu cuzinho rosa onde eu tenho mais tesão, ele lambuzou dois dedos com gel e foi enfiando pra dentro de mim e lambuzou seu cacete especial, ele posicionado em pé no chão atrás da minha bunda e começou passar a cabeça pequena da sua pica, no meu rego até abrir o meu cuzinho, mas dessa vez eu implorei pra ele ir mais rápido. A cabeça da sua pica é em formato de cone até onde inicia a parte grossa, aí facilita e muito na penetração.

Como ele já tinha inaugurado o meu corpo atrás, a cabeça mágica da sua pica foi entrando e abrindo o meu cuzinho fácil, mas só senti um choque quando a parte grossa foi entrando. Ele foi enfiando, parava e voltava um pouco pra trás, enfiava mais um pouco. Eu sentia a parte grossa da sua pica me dilatando por dentro, eu já falava “vai amor mais forte pra mim me acostumar!”

Sua pica me trouxe o prazer para o meu corpo atrás, logo senti seu saco roçar na minha boceta, ele atolou seus 23 cm de pica dentro do meu cuzinho rosa. Aí comecei a tremer e chorar de felicidade, senti minha boceta soltar uma lagoa de porra branca, tive outro orgasmo maravilhoso, senti o meu corpo esquentar por dentro. Foi quando o Fábio depositou todo seu leite dentro do meu cuzinho rosa… NOSSA COMO É GOSTOSA UMA TRANSA ANAL… fiquei tão feliz que fiz questão de beijar e mamar na sua pica que me satisfez toda aquela noite. No outro dia o deixei no portão da sua casa.

Depois de um ano e meio meu maridinho me liga que estava voltando, fiquei feliz e mais ainda pela minha filha que só via o pai ao final do mês e ao mesmo tempo triste pelo Fábio. Eu tinha que contar a ele sobre a volta pra casa do pai da minha filha. Peguei o meu carro e fui até a casa do meu querido e contei sobre a chegada do meu maridinho. Pedi um tempo pra resolver essa situação, mas depois levei o Fábio para o motel três dias seguidos antes do meu maridinho chegar: meu corpo atrás já estava viciado na pica dele.

O pai da minha filha chegou numa sexta-feira à noite, preparei uma gostosa recepção pra ele, vesti o vestido vermelho sem calcinha, o mesmo que ele me deu de presente de Natal, o mesmo que também usei na primeira noite que o Fábio inaugurou o meu cuzinho.

Por volta das oito horas ele chegou, me deu um abraço e um beijo de língua, enfiou a mão direita por baixo do meu vestido e subiu, alisou minha bunda e parou com dois dedos na entrada do meu cuzinho. Me disse “tinha certeza que você amor estava sem calcinha”. Aí percebi que algo tinha mudado nele, um tesão ascendeu no meu corpo, levei ele para o quarto, tiramos as roupas e deitamos na cama. Ele foi logo direto chupar o bico do meu clitóris pontudo e ficou fazendo uma chupetinha na cabecinha. Nossa! Ele me surpreendeu! Depois foi alternando, passando a língua na minha boceta e no meu cuzinho e voltou a fazer a chupetinha no bico do meu clitóris. Nossa como gozei gostoso!

Ele me disse “só agora eu percebi que você é tão linda e gostosa”, e uma esposa fiel não teria feito a besteira que eu fiz, mas agora prometo que vou realizar seu desejo de ser penetrada por atrás. Eu respondi que nunca é tarde pra começar, é só você ter o tesão de me enrabar.

No meu pensamento eu respondi “só que agora o meu querido Fábio chegou primeiro”

Comecei passando a língua na sua pica que já estava durinha, ela é pequena e fina chega quase 14 cm com a cabeça pequeninha, mas logo coloquei tudo na boca. Nem se compara do porte da imensa rola do Fábio. Meu maridinho começou gemer, como eu já sabia que ele goza rápido parei e fiquei de quatro, na beirada da cama, e mandei ele ficar em pé no chão atrás de mim. Abri as pernas, empinei bem minha bunda e falei “vem amor, vem realizar o desejo da sua esposa, mas vai com cuidado e devagar…”

Eu mesma peguei na sua pica com minha mão direita e encostei no meu cuzinho e fiz pressão com minha bunda pra trás. A cabecinha entrou fácil, fiz um charminho e falei “vai devagar amor, está doendo, mas não para!” quando senti ele gemer, afastei minha bunda pra trás com força e atolei sua pica pequena até o talo no meu cuzinho que já não era mais virgem, inaugurado à mais de um ano. Ele me penetrou sem gel, na carne mesmo, pois meu cuzinho está tão laceado por dentro que não senti nada. Aí meu maridinho foi metendo no meu rabinho e dizendo “que cuzinho delicioso!”. Mas eu queria mais e aí falei “amor, coloca seu dedo maior junto com sua pica dentro do meu cuzinho”. Aí gozei gostoso, ele gozou antes, já estava com a pica meio mole. O difícil agora é pra eu ficar sem a pica mágica do Fábio quando entra aquela parte grossa do cacete. Hum que saudade!

Eu namorei o Fábio mais de um ano e só dava o cuzinho para ele, logicamente que é minha preferência…  na minha boceta eu só o deixava colocar a cabecinha e mais um pouquinho até onde inicia aquela parte grossa, sempre preservando ela para não ficar arregaçada. A minha intuição de mãe me dizia que o pai da minha filha voltaria pra mim, quando o Fábio não gozava no meu cuzinho, era na minha boca que ele depositava todo o seu leite, foi uma experiência maravilhosa. Na minha vida só não posso dizer que foi a única no coração e o desejo no corpo o ser humano não manda. Agora meu maridinho prefere mais… O MEU CORPO ATRÁS…

Tayla
Eu gosto de ler e escrever contos eróticos, compartilhar minhas experiências sexuais com leitores desconhecidos me excita muito, saber que outras pessoas vão ficar com tesão lendo minhas histórias e fantasias eróticas. Algumas histórias são verdadeiras, outras parcialmente verdadeiras e em parte fruto da minha imaginação.
Se você gostou dos meus contos eróticos e quer entrar em contato comigo para trocar experiências e fantasias eróticas, deixe seu comentário abaixo. Responderei assim que for possível, especialmente se o comentário estiver bem quente e excitante...

    6 Comments

  1. Realmente vc e surreal. Vc e delirantemente torridamente excitante por demais.

    jc

    26 de November de 2018

  2. Adorei seu conto aposto que vc e uma delicia

    Polar

    31 de January de 2019

    • Maravilhoso… Deciciosa e excitante conto…estou aqui com meu pau latejando de tesão. Muito gostoso ler contos reais.
      Parabéns pelo teus contos…,melhor que isso, só sentindo você toda…,de verdade.

      Maicon,rj

      30 de August de 2019

  3. Que delícia de conto, só não é maior que sentir um rabinho gostoso recebendo meu pau, adorei o conto o melhor que eu já li, parabéns vc realmente me deu muito tesão, gostaria que minha mulher gostasse de receber uma rola no rabinho, você foi espetacular no relato

    Portuga

    10 de February de 2019

  4. Sou Marreta do Rio de Janeiro, um absurdo um marido não tratar sua mulher na cama como uma verdadeira puta. Eu adoro penetrar no cu de uma mulher, sentir minha piroca invadindo em um sexo anal delirante é aos poucos socando até toda a piroca entrar, após várias estocadas inundar com minha porra quente é gostosa. Antes de tudo minha língua já lubrificar toda a buceta é também o cu, como adoro lamber o cuzinho de uma mulher…

    PP

    26 de February de 2019

  5. Gostosa demais! Tu consegue fazer eu entrar na história, gozei lendo.

    Fernando Mattos

    5 de March de 2019

Post a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


Online porn video at mobile phone