Contos eróticos e histórias picantes reais

Beth procura casa e encontra um pau

Beth procura casa e encontra um pau

By

Meu nome é Beth, mas para todos sou Betinha. Sou casada com “M” (por óbvios motivos não vou revelar o nome do meu marido) há seis anos. Quando nos casamos pensei que teria sido uma esposa perfeita. Estava, e na verdade ainda estou, profundamente apaixonada por meu marido, mas as vicissitudes da vida me levaram a descobrir coisas sobre mim que estão fazendo-me viver uma vida dupla. Eu não quero desistir de M, seja claro, mas nestas páginas contarei como me transformei de uma esposa perfeita em .. bem, você vão me dizer em que me tornei.
Se vocês estão se perguntando, vocês que estão lendo, como eu sou fisicamente, só para ter uma idéia de quem está contando estas coisas, posso dizer que sou cerca de 170 cm de altura, meus cabelos são pretos, compridos até os ombros, olhos castanhos – dizem de gata – um nariz pequeno e empinado, lábios carnudos. De peito tenho uma terceira abundante e todo mundo fala que tenho uma bunda bonita.

Talvez eu tenha alguns quilo amais, mas felizmente para mim, ele está distribuído nos lugares certos, assim que ninguém nunca reclamou. Gosto de me vestir de maneira que considero mais adequada para as diferentes ocasiões, então eu posso sair de roupa desportiva ou formal, ou sexy, sem problemas. Este sou eu!
Como entrei neste turbilhão de paixão e desejo, que nos últimos anos me mudou profundamente, você vai descobrir lendo a história seguinte, se você quiser.

Tudo começou há uns cinco anos. Com M as coisas estavam uma maravilha em todos os aspectos, tanto emocionais quanto físicos, na cama, quero dizer. Nosso relacionamento era lindo e especial e eu me sentia muito satisfeita com meu marido. Uma noite, no jantar, falando sobre como tinha sido nosso dia, M. disse-me que ele estava disposto a mudar de casa, porque ele achava que era hora de dar “grande passo” ou seja comprá-la, porque a gente morava em um apartamento alugado perto demais de seus pais.

Não me parecia real ouvir aquelas palavras. Finalmente, eu teria sido capaz de me dedicar à realização o meu “relacionamento perfeito” … Eu e meu marido maravilhoso na “nossa” casa. Eu pulei de alegria no seu pescoço e comecei a beijá-lo com paixão e transporte, começando a fantasiar sobre como eu queria nosso apartamento, o bairro que gostava mais, a posição, o tamanho, quantos quartos. Me sentia como uma criança em uma loja de brinquedos que está pronta para escolher sua boneca favorita.

Naquela noite não conseguia dormir, tão grande era a minha excitação e frenesi para procurar a casa dos meus sonhos. M no dia seguinte me disse de cuidar de tudo sozinha, ele simplesmente iria para ver as casas e apartamentos que eu tivesse considerado adequadas para nós, e só naquele momento ele teria dito o que ele preferiria entre as minhas escolhas. Mergulhei direto na Internet e comecei a procurar casas e apartamentos, olhando as fotos e seleccionando o que era mais interessante para nós até que decidi começar a chamar as primeiras agências para agendar as visitas.
Um corretor, cordial ao telefone, disse-me que se eu queria e estava disponível, poderia ver um apartamento muito bom naquela tarde mesmo. Não parecia real. Aceitei com prazer e marquei um encontro com o corretor.

Fui tomar um banho e depois escolhi o que considerava ser a roupa apropriada para a ocasião. Eu não queria parecer uma dona de casa desesperada, nem uma mulher de carreira e como o clima estava bastante quente optei por algo mais leve. Uma T-shirt com decote em V e uma saia tubinho preta. Roupas íntimas combinada e meias autofixantes azuis (eu não suporto collant!) E saltos. Um vestígio de maquiagem para destacar os olhos, lábios brilhantes e embora para o lugar de encontro!

Cheguei na hora certa e na frente do portão, vi um homem alto e distinto com uma pasta na mão olhando ao redor. Aproximei-me dele e disse-lhe
“Bom dia, O senhor é o corretor da agência xxxx?
“Sim”, respondeu apertando minha mão.
“Bem! Eu sou Ms xxxx “disse, sorrindo e respondendo à sua saudação
“Eu vou lhe mostrar o apartamento”, o homem disse-me “depois dela”, acrescentou ele, mantendo o portão aberto.
Entrei pelo portão e o corretor avisou-me que infelizmente o elevador estava fora de serviço e a gente teria que subir três andares, pedindo desculpas pelo inconveniente.
“Não há problema”, eu disse, encaminhando-me em direção das escadas. Comecei subir com o corretor atrás de mim.
Enquanto eu subia os três andares tinha a sensação que seus olhos estavam fixando minha bunda.
Um pouco porque estando eu na frente dele, meu bumbum estava à altura dos seus olhos, um pouco porque eu andando tinha a tendência de rebolar, estava me sentindo observada e a coisa me deixava com um pouco de vergonha, mas não dei muita importância, até que a gente chegou na frente da porta do apartamento e o corretor abriu a porta, fazendo-me entrar.

O apartamento era melhor do que esperava vendo as fotos. O quarto era espaçoso e luminoso, com dois quartos igualmente grandes, um banheiro delicioso, muito bem cuidado, com um chuveiro e uma banheira de Hidromassagem. Realmente bonito.
Segui o corretor em várias salas, observando-as todas cuidadosamente e fazendo-lhe todas as perguntas que passaram por minha cabeça. Ele respondeu com calma e cortesia à todas minhas perguntas, me dando todas as explicações necessárias, enquanto estávamos na cozinha. Naquele momento, seu celular tocou e ele me disse de esperar por ele, educadamente, por um momento. Ele vai responder em outro quarto e me deixa sozinha, permitindo-me de dar uma olhada melhor à cozinha. Desde que estava mobilada, fui pega pela curiosidade de observar o conteúdo e a qualidade dos móveis, imaginando como seria morar ali com M.

Sem pensar, comecei a verificar tudo, abrindo e fechando praticamente todas as gavetas e as portas da cozinha, até que eu encontrei algo que atraiu incrivelmente minha curiosidade, uma porta com uma espécie de “gaveta escondida.” Tendo em conta que o agente ainda não havia retornado, sem pensar duas vezes, decidi abri-la. Mas para fazer isso, consideredo que a roupa que tinha escolhido me impedia de me mover com facilidade, eu teve outra escolha que levantar a saia até o meio da coxa, a fim de chegar onde eu queria.

Enfiei-me dentro a porta do armário da cozinha, praticamente de quatro, com a cabeça dentro do armário e a bunda para cima para chegar ao compartimento secreto e fui só quando cheguei a tocar na gaveta que me intrigou tanto que ouvi a voz do corretor de imóveis as minhas costas
“Senhora, tudo bem?”, me perguntou.

Como uma criança pega com as mãos no pote de biscoitos me afastei rapidamente, envergonhada e virando a cabeça em direção dele, com o rosto vermelho, disse “sim, desculpe, eu estava apenas curiosa”. Naquele momento, eu nem percebi que estava ajoelhada na frente dele. Eu o vi me olhando de cima para baixo. Eu vi seu olhar fixo no decote da minha camisa, assistindo ao show que naquele momento eu estava involuntariamente oferecendo para ele, e que me fez corar de vergonha.

“Não Tem problema”, disse ele, sem tirar os olhos de meus seios.
Comecei a levantar-me e ele se aproximou, estendendo a mão, “Deixe que a ajudo”, disse.
Peguei sua mão e deixei que me ajudasse para me levantar, mas quando eu estava praticamente em pé, sem querer dei um passo em falso para a frente e cai nos braços dele. O corretor me segurou e por um segundo me abraçou, senti sua respiração no meu cabelo, meus seios pressionando contra seu peito e por um momento tive a sensação de sentir algo duro pressionando contra a minha barriga.
Afastei-me visivelmente constrangida e eu percebi que ele estava me olhando nos olhos, mas desta vez ele tinha um olhar completamente diferente do que antes.
Afastei-me dele. “Eu preciso ir ao banheiro, por favor”, falei.

Ele não pronunciou uma palavra. Fui para o banheiro, lavei o rosto e por um momento me olhei no espelho. Senti-me corar de vergonha pensando na situação absurda de que eu estava vivendo naquele momento, mas, ao mesmo tempo, pela primeira vez na minha vida eu gostei da idéia de provocar um homem desconhecido, pensando que nada nunca poderia acontecer com ele, e que a brincadeira logo acabaria.
Naquele momento eu ouvi o telefone tocando. Procurei-o na bolsa e respondi.
“Olá amor! Sim, a casa é bonita, espaçosa e luminosa. Sim, eu acho que nós estamos quase terminando, eu ainda tenho que ver algumas coisas e depois vou sair. Depois te ligo e conto tudo. Eu também te amo.”

Guardei o telefone celular na minha bolsa e encontrei-me de volta na frente do agente. Eu nem tinha percebido que ele tinha entrado no banheiro. Mais uma vez seus olhos no meu corpo. Novamente aquele olhar que estava me observando. Mais uma vez sinto aquele calor dentro de mim.
“A casa é muito linda”, eu disse ficando parada.
“Não só a casa”, disse ele olhando para mim.
Corei visivelmente ao ouvir essas palavras. “Nós ainda temos que falar da comissão”, disse ele.
Eu olhei para cima, encontrando seu olhar. “O senhor quer o três por cento, certo?”, Perguntei.
“Depende!”, Foi sua resposta.
“Depende do que?” Eu perguntei ingenuamente.
“Depende de você!” Foram suas palavras e enquanto falava, e o vi se aproximar de mim e parar a poucos centímetros do meu corpo.
“Eu não entendo”, disse cada vez mais envergonhada. Senti uma estranha sensação de calor que toma conta de mim e corei ainda mais quando percebi que entre as minhas coxas começava a sentir-me molhada e eu podia sentir meus mamilos empinados que mostraram-se contra o tecido da camisa.

“Absurdo! Beth o que acontece contigo? Você está animada, caralho? “Eu pensei comigo mesma me em uma fração de segundo.
“Eu vou te explicar”, foi a resposta do homem que agora estava tão perto, o suficiente para não me deixar nenhuma saída.
“Não se atreva”, eu gritei contra o instinto e a minha mão, levantou-se para o seu rosto em uma tentativa de esbofeteá-lo, mas ele agarrou meu pulso e, sem dizer nada, apenas olhando nos meus olhos, levou a palma da minha mão diretamente sobre a aba da sua calça pressionando-a contra um membro duro como pedra que, apenas pelo contato, pareceu-me ser respeitável.

“Que porra faz? Que intenções você tem? Como se atreve? “Eu gritei para ele, contorcendo-me e tentando me libertar das suas garras.
Ele não respondeu, apenas apoiou suas mãos nos meus ombros. Com força me empurrou para baixo. Eu tentei resistir, mas ele era definitivamente mais forte de mim e em alguns segundos fiquei agachada na frente dele. Com minha boca na altura do pau que estava aparecendo duro e grande abaixo das calças.

“Não se permita” eu disse, tentando mais uma vez de me libertar enquanto na verdade eu sentia uma sensação nova que estava se apossando de mim. Estava visivelmente animada e certamente não conseguia escondê-lo.
O homem na minha frente não falou nada. Ele apenas me olhava de cima ara baixo, como se fosse o dono da situação.
Calmamente soltou o cinto e desabotoou as calças, fazendo-as cair na metade das coxas, e dentro de um momento eu tinha diante dos meus olhos de um pau de carne duro como pedra.

“Agora, numa boa…”, ele sussurrou em um tom que parecia uma ordem.
“Você está louco!” Gritou contra ele, tentando de me libertar e foi nesse momento que eu senti sua mão na minha cabeça, os dedos no meu cabelo. Senti meu rosto empurrado em direção dele até que eu encontrei-me com a cabeça do seu cacete vermelha e inchada pressionada contra meus lábios.

“Chupa!” Ele falou com um sussurro quebrado pelo desejo.
“Mas que…” Tentei insultá-lo, enquanto apoiava minhas mãos sobre suas coxas para me afastar dele, mas eu não consegui terminar a frase que ele empurrou meu rosto contra ele e, ao mesmo tempo, a pélvis contra mim, de maneira que seu pau entrou tudo dentro da minha boca, grande, rígido, com a cabeça que tocava minha garganta, como se quisesse me sufocar.

Ele me agarrou pelo cabelo e começou a mover minha cabeça para frente e para atrás contra aquela vara de carne que estava violando minha boca. O safado estava me fodendo na boca, eu sentia aquele pau duro que entrava e saia esfregando apertado por meus lábios e por absurdo, me dei conta de que, em vez de subir em mim a raiva e a repulsa pelo que estava acontecendo comigo, eu me sentia mais e mais animada. Estava gostando de ser forçada a chupar aquele pau gostoso!

M, meu marido, nunca tinha usado métodos tão rude comigo e eu sempre pensei que o homem deve ser galante mesmo na cama, mas, naquele momento, ter em frente este estranho que estava literalmente fodendo minha boca, sem restrição e sem pensar nas minhas necessidades ou nos meus desejos estava me fazendo derreter. Estava tuda molhada pela excitação.

De repente, senti seu aperto em minha cabeça soltar. De repente, vi suas mãos levantando-se para tirar sua jaqueta.
“Uhmmmm simmm, você é fantástica!”, ouvi-o dizer.
“Chupa gostosa!”

Chupava aquele pedaço de carne com um prazer e uma energia inusuáis para mim. Sentia sua vara andar por meu paladar, deslizando sobre minha língua, minha xoxota abundantemente molhada, banhando completamente minha calcinha, meus mamilos tão duros de doer e me provocando pontadas de prazer, enquanto esfregavam contra meu sutiã ao ritmo da minha respiração.

De repente, perdi o controle completamente. Ouvi ele gemer enquanto trabalhava com os meus lábios em seu pau, eu o sentia cada vez mais duro na minha boca e era excitante para mim cada vez mais. Aumentei o ritmo dos meus movimentos, pegando com a mão suas bolas enchadas pelo prazer e começando a massageá-las, enquanto empurrava meu rosto na direção dele tentando engolir seu pau o máximo que pude, girando minha língua em torno de sua cabeça cada vez que entrava em minha boca.

“Caralho! Simmm… ohhhhhh… Gostoso!”Eu sentia suas palavras incoerentes para acompanhar o ritmo do meu boquete.

“Para, vou gozar!” Ele falou de repente. Afastei-me dele e olhei para ele de baixo para cima, com seu pau a poucos centímetros da minha boca. Percebi que estava ofegante pelo movimento de seu peito e por como ele manteve sua boca aberta em busca de ar.

“Você é incrível”, ele sussurrou. Ele estava prestes a afastar-se de mim, quando eu, sem nunca tirar os olhos dele, ainda massageando suas bolas enchadas, disse com um tom de voz que eu mesma não conhecia, nem parecia ser a minha:
“Eu quero chupar sua alma”. E dizer essas palavras de novo afundei meu rosto contra ele, massageando seu pau. Com a mão livre peguei seu pulso e levei sua mão na minha cabeça, fazendo-lhe entender que eu queria que fosse ele a ditar o ritmo.
O corretor, com a voz rompida pela emoção, disse: “Cachorra, você quer que foda sua boca?!”

Olhei em seus olhos a partir do fundo e eu só fiz um aceno com a cabeça. Ele não precisou ser dito duas vezes, agarrou minha cabeça com as duas mãos e começou a mover sua pélvis contra a minha boca em um ritmo frenético. Eu podia sentir sua cabeça tocar na parte de trás da garganta, senti que minha boca começava a doer, mas não queria parar.
Passaram mais alguns minutos e eu ouvi ele gemer como um touro, segurava minha cabeça com as duas mãos pressionado-a contra sua barriga, empurrando a cabeça do seu pau no fundo da minha garganta e de repente senti uma série interminável de jatos de porra quente inundar minha boca.
Continuei a acariciar suas bolas com uma mão e percebi que ele estava se esvaziando completamente em minha boca e a coisa quase estava me fazendo gozar. Eu engoli tudo, até a última gota de esperma enquanto ele respirava como um touro em busca de ar.
Ele tirou o pau da minha boca e com a língua terminei de limpar os resíduos de seu néctar.
Levantei-me e o vi guardar seu pau ainda duro nas cuecas e abotoar as calças. Quando estávamos, mais uma vez, cara a cara, ele me disse: “Você foi fantástica, o melhor boquete da minha vida.”
Naquele momento eu me sentia, estranhamente, uma puta. Me aproximei dele e esfregando de propósito minha bunda contra seu pau e sussurrando: “Amei este apartamento, mas eu quero vê-lo novamente. Talvez com mais tempo.”

Não lhe dei tempo para responder. Peguei minhas coisas e saí puxando a porta e deixando-o ali onde ele estava. No caminho de casa eu pensei em meu marido. Uma punhalada, como uma flecha, partiu do meu estômago e explodiu na minha barriga, fazendo-me molhar as calcinhas em pensar sobre o que tinha acontecido naquela tarde. Eu estava animada como nunca antes em toda a minha vida.

Safadinho
Adoro sexo e contar histórias excitantes, escrevo porque gosto e para me relaxar. Acho que a vida é uma só e tem que aproveitar de tudo o que oferece de bom. As gatas são entre as coisas melhores. Se você gostou dos meus contos, deixe um comentário.

    4 Comments

  1. delicia de conto amei esse oral dessa esposa carente tenho certeza que ela jámais vai esquecer esse boquete hummmmmmm .

    Tayla Sian

    6 de September de 2016

  2. Adorei a história, como ei adoro sexo oral acabei gosando enquanto lia.

    9 de February de 2017

  3. Maravilhoso seu relato., me exitei com
    Sua narrativa.

    Carlos douglas

    24 de April de 2017

  4. Adorei gostaria de conhecer uma mulher especial assim safada todos homens casados adoram putss se não não existiriam zonas manda fotos suas para mim

    Done

    2 de June de 2019

Post a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *



"orgia bissexual""orgasmos reais""contosgay ultimos""contos eroticos de corno""historias eroticos""contos eroticos proibidos""conto erotico excitante""comendo amiga da escola""contos comi minha filha""videos de contos eróticos""contos eroticos troca de casal""comendo o cu da sogra""relatos eroticos""contos eroticos inversao""contos dp anal""contos eroticos na piscina""contos eróticos bem picantes""conto erótico lésbica""contos eroticos casa dos contos""conyos eroticos""contos comi minha filha""contos eróticos br""contos safadas"contoeroticos"foda real""contos eroticos heteros""contos eroticos boquete""contos eroticos da vida real""comendo amiga da escola""www contos""contos de sexo com fotos""casais eróticos""casa dis contos eróticos""contos de sexo gratis""contos eróticos verídico""contos cnn gay""contos eroticos pesados""contos eróticos bissexual""primeira dupla penetração""relatos de cornos""contos eroticos virgem"contos.eroticos"história erotica""conto de traição""historia de sexo anal""conto erotico por categoria""conto eroticos""contos despedida de solteira""contos eróticos sexo a três""contos heroticos reais""contos eroticos chantagem""contos eróticos de casais""contos eroticos estrupo""história de sexo picante""contos eroticos a forca""boquete conto""conto erotico lesbica""histórias eróticos""conto erótico climax""contos de sexo incesto""contos eróticos curtos""contos de sexo grupal""relatos eroticos""enrabando a sogra""contos eroticos curtos""contos eróticos de pai e filha""conto eroticos gratis""contos de traicao""contos eróticos seios""sexo anal a tres""contos de sexo anal""sexo com a amiga da filha"