Contos eróticos e histórias picantes reais

Ironias do Amor

Ironias do Amor

By

Olá sou a Olga 25 anos branca cabelos castanho até os ombros, 25 anos, altura 1,70, peso 60 kg, rosto bonito, olhos cor de mel, boca grande com lábios grossos deliciosa para beijar e chupar e mamar numa rola grande e grossa, seios grandes bicudo e durinhos, bumbum médio arrebitado, delicioso (quem provou amou! Irresistível!), coxas e pernas delineadas, pés 37 cm. Sou de Santo André/SP. Vou relatar os fatos. O que aconteceu comigo quando eu ainda era noiva e sedenta para fazer aquele amor gostoso que a mulher fica satisfeita atrás e na frente.

Meu noivo trabalha numa empresa de consultoria, sempre que precisava tratar de certos serviços ele me chamava pra ir junto, para eu ajudar na digitação de tais documentos e dizendo que era pra eu aprender um pouco sobre seu cargo. Ele estava sempre viajando, ficava ausente quase vinte dias fora e eu precisava saber a quem recorrer. Estava passando por um momento difícil, sentia ele se afastando cada vez mais de mim, eu vivia implorando o seu amor, oferecendo meu rabinho para o meu noivo, me insinuava, ficava de quatro com o rabinho empinado, pedia para ser enrabada e ele nem se tocava.

Ah, mas o meu desejo é imenso eu sinto muito prazer sempre gostei de sentir meu cuzinho preenchido, mas ele não tomava a iniciativa, meu noivo não sentia tesão de comer meu cuzinho… nossa, isso estava judiando de mim, eu Olga morria de vontade de ser enrabada, imaginava situações, já não sabia mais como chegar nele e lhe propor um delicioso sexo anal, sim eu queria que ele comece meu cuzinho para sentir o sabor da minha bunda branca. Mesmo meu noivo tendo uma pica pequena e fina eu queria que ele metesse sua pica no meu rabinho me fazendo sentir pelo menos um pouco de prazer.

Pois estava ficando alucinada, louca para ser comida atrás e na frente, comecei dando meu cuzinho ainda adolescente para uns meninos do colégio, aí fiquei um bom tempo com um amigo da minha mãe que frequenta nossa casa. Ele tem uma rola de média para grande e um pouco grossa eu implorei para o amigo da minha mãe tirar o selinho da minha boceta, ele só colocava a cabecinha e penetrava uns oito cm, eu queria tudo mas ele me dizia que era para não ficar muito aberta para mim guardar para o meu casamento, e depois ele chupava minha boceta e eu gozava na língua dele. Em seguida ele me colocava para mamar na pica dele, aí eu ficava de quatro para ele comer o meu cuzinho do jeitinho que eu gosto. Foi ele que deixou meu cuzinho bem laceado: amo dar o meu rabinho, sinto o maior prazer e gozo muito.

Voltando ao escritório onde meu noivo trabalha depois de alguns meses, notei que seu patrão Fernando olhava com olhar de lobo faminto para minha bunda e para os meus peitos, eu me sentia atraída por ele, afinal ele é um macho lindo e eu estava numa secura: já fazia quase nove meses que o meu noivo não me comia, eu procurava mas ele me evitava, alegava cansaço de viagem, mas para os amigos de boteco ele sempre tinha tempo.

Eu já vivia imaginando na realidade como seria eu sendo comida pelo patrão do meu noivo, meu desejo era sentir e provar novamente uma rola grande e grossa, eu vivia com a calcinha toda melada cada vez mais alucinada por uma pica. Depois de uma semana fui levar para o escritório vários manuais que eu tinha digitados. Chegando no escritório o Fernando veio me receber, me abraçou e eu já aproveitei o momento dei um selinho. Ele sorriu e disse baixinho no meu ouvido: nossa, como você é linda. Quero você pra mim! Essa sua boca me deixa louco Olga!

Dei outro abraço e mais um selinho, ele entendeu o recado pois a partir dali ele se tornou mais carinhoso comigo, chegando a passar a mão na minha bunda, dizendo que seios lindos

Fiquei feliz e respondi: “quero ser tua querido”.

No fundo o Fernando estava percebendo que eu estava afim dele e eu já me via apaixonada. Mesmo no outro dia liguei pra ele.

Oi Olga, tudo bem?

Eu respondi “melhor agora estou ouvindo tua voz”

Senti melar minha boceta, era sinal que eu queria ele. O desejo de trepar com ele passou a fazer parte de mim, a noite na cama eu delirava imaginando o tamanho, a grossura , o cheiro e o sabor da pica dele. Um dia na cama meu noivo me disse que a pica do Fernando é enorme, é daquele que precisa pegar com as duas mãos e ainda sobra um bom pedaço, eu estava com minha boceta escorrendo enfiei meus três dedos nela e fiz um vai e vem e gozei deliciosamente pensando na pica do Fernando.

Quando uma mulher está determinada a dar, não tem mais vaqueiro que a segure no laço! Aí o Fernando me pediu para ir no seu escritório após as 20h, que ele me daria uma atenção especial, era isso mesmo que eu estava querendo, com o noivo viajando eu já estava há nove meses sem vara, estava subindo pelas paredes de tesão, chegava a trocar até três calcinha por dia e vivia gozando com os meus dedinhos.

Eu fui para o banho me preparar para ele, vi meu corpo nu no espelho grande do banheiro, acariciei o bico dos meus seios rosados que estavam duros, desci a mão e passei os dedos nos pelos macios com bigodinho, abri os lábios da minha rachinha expondo o clitóris rosadinho, dirigi um jato do chuveirinho nele, e uma corrente elétrica percorreu o meu corpo. Concentrei-me no clitóris com os dedos e massageei, mas não gozei, queria mesmo era gozar na pica do Fernando.

Terminei meu banho, passei uma colônia no corpo deixando a pele macia e cheirosa pra aquele lobo me comer por inteira. No quarto vesti uma calcinha vermelha fio dental, coloquei uma saia branca bem acima dos joelhos, vesti uma blusinha de alcinha preta sem sutiã e pra combinar calcei uma sandália de salto branca, passei um batom vermelho: estava vestida para deixar qualquer macho louco ou melhor para ser comida igual uma cabritinha louca por uma vara grossa.

Cheguei no escritório as 20h, assim que entrei na sala Fernando fechou a porta gentilmente, me pegou no colo, me levou para o sofá da recepção com um sorriso lindo no rosto, olhando fixamente para minhas coxas amostras pela saia curta.

Sentei no sofá, minha saia subiu e ele viu o volume da minha rachinha, ele em pé na minha frente. Sua virilha estava bem no meu rosto, olhei no meio de suas pernas e notei o volume se formando, estufando a calça.

Ele dirigiu minha mão para sua pica, apertei por cima da calça e falei “nossa é enorme, é desse que estou precisando!”

Já estava possuída por esse macho lindo com uma voz suave e amoroso comigo. Apertei toda extensão da sua pica gigante, como o meu noivo me disse que era, mesmo por cima da calça dava pra ver e sentir que é enorme e grosso.

Eu sempre me imaginava na realidade como seria eu sendo comida por um macho, meu desejo era sentir e provar uma pica grande e grossa no rabinho e depois na rachinha e poder mamar e chupar até o macho depositar todo seu leite viscoso e a açucarado e me dizendo engole tudo cabritinha.

Sem perder tempo abri o zíper, desci a calça do Fernando levando junto a cueca branca fazendo saltar bem diante dos meus olhos aquela enorme pica, três vezes maior comparando ao pintinho do meu noivo e o dobro do tamanho da rola do amigo da minha mãe. Segurei com as duas mãos pelo meio e ainda sobrou um bom pedaço, e dei duas punhetadas leves, desencapando a cabeça. Parecia um enorme botão de rosa vermelho, que chapeleta linda. Não resisti, passei a ponta da língua em volta da chapeleta, sentindo um cheiro de colônia, mas ele me fez uma surpresa: afastou minha boca da sua pica e pegou um pequeno litro de mel, lambuzou sua pica e me ofereceu. Nossa! Abri bem a boca e engoli metade da sua pica até tocar no fundo da minha garganta!

Aos poucos fui beijando a chapeleta e lambendo sua enorme pica, sugando todo o mel, esfreguei ele em meu rosto, chupava e mamava. Ah que delícia! Como é bom ter uma pica na boca depois de muito tempo! Mamava igual uma cabritinha, segurei suas bolas sem pelos, ia percebendo que ele tem um corpo lindo todo lisinho. Passei minha mão na sua bunda redondinha, parece a bunda de uma menina, ou seja, gostosa! Enquanto isso, ele metia na minha boca como eu queria.

O Fernando me dizia “como você chupa e mama gostoso no meu pau, princesa!” Mal sabia ele que fazia quase nove meses que eu não via uma pica entrar na boca, e dizia isso, “chupa que hoje vou te comer e ti fazer uma fêmea!”

Hoje eu quero ser comida por um macho de verdade e gemer e gozar igual uma potranca, respondi.

E como uma potranca que sou, mamei, punhetei, esfreguei sua enorme pica na minha cara.

Fernando retirou a sua pica da minha boca e me deitou no sofá. Aí mais uma surpresa: encheu minha boceta de mel, e caiu de língua na minha rachinha e foi chupando como se quisesse engolir por inteira. Abriu bem os lábios e colocou minha boceta todinha na boca.

Uiii! Fui ao delírio, gemi na boca do meu novo macho, segurei na cabeça dele, gozei rebolando e esfregando a boceta toda inchada no seu rosto, fui berrando igual uma cabritinha.

Meu lobo me chupa mais forte! Estou gozando intensamente, fui soltando todo meu caldinho branco na sua cara.

Sentindo que eu estava num gozo profundo, o Fernando me puxou para a ponta do sofá, me virou de quatro e enrolou minha saia na cintura. Ele ficou em pé no chão e logo senti uma lambida pra cima e pra baixo no meu rego. Nossa a quanto tempo esperava por isso! Uiii…!

Ele lambuzou sua pica com mel, massageou a entrada da minha boceta com mais mel, abriu bem os lábios dela e depois enfiou dois dedos no meu cuzinho deixando-o preparado com bastante mel, me puxou mais para a beirada do sofá e logo senti a chapeleta da sua enorme pica entrando na minha rachinha.

Me segurou forte pela minha cintura, na primeira carcada foi até a metade, senti que me abriu toda. Aí eu senti o que eu tanto desejava na realidade, como seria eu sendo comida por um superdotado.

Meu desejo era imenso, provar e conhecer uma pica grande e grossa, esse meu sonho estava sendo realizado do jeito que eu planejava, ele deu a segunda carcada enterrou sua pica em mim e logo senti a chapeleta encostar no fundo do meu útero. Tamanha profundidade que atingiu, fazendo o seu saco encostar na minha rachinha, como isso nunca aconteceu com o amigo da minha mãe e muito menos com meu noivo pensei é dessa vara que estou precisando! Levei minha mão por baixo e senti a sua pica que entrava e saia, daí deu para sentir literalmente na mão, o quanto a minha boceta estava esticada para engolir sua imensa pica. Soltei um gritinho e mordi os lábios, ardeu muito, mas logo passou devido à minha boceta que estava sensível.

Aí o Fernando passou a me foder com movimentos ritmados, em um vai e vem gostoso. Comecei gemer, agora de puro prazer. Aí eu não aguentei mais e gozei apaixonadamente na sua pica grossa que me fodia num ritmo alucinante.

Eu, Olga, me sentia toda abertinha e muito feliz. eu tenho atração por cacete grande e agora estou sentindo intensamente um grande na minha boceta e logo vou receber ele no meu rabinho! Fernando continuou me fodendo e foi penetrando mais profundo, me fazendo ir as nuvens com aquela sensação deliciosa de estar sendo preenchida. Senti minha boceta totalmente dilacerada, ele já fazia quase vinte minutos me comendo e de repente ele parou e sussurrou em meu ouvido “agora eu quero provar seu rabinho, sou apaixonado por ele”.

Nossa! Fiquei ainda mais feliz, fiz uma ceninha dizendo que seu cacete é muito grande, que eu não iria suportar, no meu intimo eu queria mesmo era tentar suportar sua delicia de pica todinha no meu rabo e o patrão do meu noivo percebeu o meu desejo: ele passou a ponta da língua no meu anelzinho e eu disse “amor, vai penetrando bem devagar”.

Eu fiquei calma, via no Fernando que ele tem muita experiência para comer um rabinho, me soltei toda para ele. Sua pica estava enorme e dura, ele passou mais um pouco de mel em dois dedos e massageou bem o meu anelzinho e em seguida lambuzou seu gigante de mel, encostou a chapeleta no meu cuzinho e foi enfiando bem suave. Foi abrindo e deslizando bem devagar, ardia o normal também por eu estar a muito tempo sem ser enrabada. Ele me segurou pela minha cintura e atochou a pica no meu rabinho. Soltei um gritinho, a pica já tinha penetrado um bom pedaço, ele parou sem fazer movimento e beijou minhas costas. Eu falei “amor, coloca só a metade porque é a primeira vez com você, depois que você me deixar laceada aí eu quero sentir tudo”

Ele me obedeceu, com a mão por baixo acariciou meu clitóris me fazendo relaxar, passei a rebolar na sua enorme tora. Ele com seu jeitinho passou a me foder bem gostoso. Ia até a metade e voltava com sua tora bem suave, sentia nele o prazer em me enrabar depois de um bom tempo, ele me dando prazer. Eu senti os jatos fortes da sua porra inundando o meu cuzinho, com as pernas trêmulas eu ainda consegui gozar pela quarta vez com a metade da sua tora dentro de mim e seus dedos alisando o meu clitóris todo inchado. Meu sonho de adolescente de provar um macho superdotado estava consumado.

Nessas alturas já tinha passado da meia noite, trocamos de roupa e o Fernando foi me levar para casa. Ao passar pela portaria o vigia disse “nossa, Fernando ainda trabalhando! Sim, a Olga estava me ajudando a colocar o serviço atrasado em dia”.

Lógico que ele percebeu que nós estávamos trepando, mas ficou na dele e fomos para nossas casas. Me despedi do Fernando dentro carro, dei um beijo na sua boca e abri o zíper da sua calça e comecei chupar e mamar de novo na sua enorme pica, que logo ficou dura na minha boca. Em seguida ele penetrou dois dedos no meu cuzinho e dois dedos na minha boceta me fazendo uma gostosa dupla penetração, ai eu não aguentei mais e gozei rebolando na sua mão. Comecei chupar com mais força sua pica e fiz ele encher minha boca de porra e aos poucos fui engolindo todo seu leite adocicado. Abracei ele e entrei para minha casa toda ardida e muito feliz. No outro dia o Fernando me ligou para saber se eu estava bem, nossa fiquei muito contente! Respondi “sim amor, quero você de novo!” ele respondeu “eu quero você pra mim!” e me convidou para passar uma semana com ele em Poços de Caldas. Aceitei na hora, me disse que já tinha reservado o hotel.

O Fernando me pegou em casa, viajamos chegamos em Poços de Caldas por volta das duas e meia da tarde. Ele guardou o carro no estacionamento do hotel e fomos para o nosso quarto que já estava reservado, saímos para conhecer a cidade voltamos, tomamos uma gostosa ducha e logo jantamos ao som de música ao vivo. Depois do jantar fomos para pista de dança, começamos dançar um pouco eu já estava sentindo sua enorme pica roçando nas minhas coxas, eu estava com um vestido longo com estampas verdes bem decotado, sem sutiã expondo meus seios metade pra fora, e sem calcinha. Dei um beijo de língua e sussurrei no seu ouvido “amor come meu rabinho bem gostoso, estou louca de vontade… Fe… dá esse presente pra sua cabritinha!”

Levei ele para o quarto, tirei toda sua roupa e sua enorme pica saltou pra fora batendo na minha boca. Parece que já sentia o que eu queria, fui acariciando e levei na boca, fui chupando, agora já sentia que sua enorme pica vai ser minha, ele olhava e comentava e me dava ordens e dizia essa vara é toda sua e enfiava mais na minha boca, chegava encostar na minha garganta, eu ficava feliz que tinha um macho me dando ordens, levei as duas mãos para trás e apertei sua bunda.

Ele tirou sua pica da minha boca e começou beijar meu pescoço, minha boca até meus seios e vagarosamente chegou até minha boceta e no meu cuzinho, passava a língua e chupava. Eu me contorcia e gemia e pedi que queria ser enrabada e me coloquei de quatro na cama, fiquei de lado para o espelho para ter uma boa visão. Eu queria agora engolir toda sua pica no meu cuzinho, até então só tinha suportado a metade pois queria muito sentir esse prazer por completo e também dar ao Fernando o meu amor.

Ele foi passando gel na sua pica e enfiou dois dedos com gel no meu cuzinho. Fez aquela massagem gostosa, colocou a chapeleta na entrada do meu cuzinho e devagar foi forçando até que sua pica entrou a metade, e ofereceu-me um cacete mais delicioso que uma mulher pode provar. Parou um pouquinho, beijou meu pescoço, com uma mão acariciou meu clitóris e em seguida afundou o restante que faltava, colou as bolas na minha boceta, aí senti e provei o sabor de ser comida por um macho de cacete grosso e grande. Na primeira vez foi só a metade, mas agora está tudo atolado no meu rabinho. Eu já fazia o vai e vem indo e vindo com minha bunda pra frente e pra trás. Nossa! Ui! Que gostoso!

Quando vai deslizando, saindo e entrando, é um tesão inexplicável. Sinto mais tesão no cuzinho do que na boceta. Com calma o Fernando ia desfolhando o meu cuzinho, sua pica ia cada vez mais, ganhando passagem e me invadindo devagar, enquanto eu Olga queria mais e mais o colosso. A grossura da sua pica acertava em cheio todos os pontos de prazer do meu rabinho, eu delirava de prazer, era um cacete desse que eu sonhava e agora estava dentro de mim!

Era um macho desse que eu queria que me enrabasse gostoso e me deixasse acabadinha na sua pica! Aí o Fernando disse “vai amor, esse cacete é todo seu!”

Fiquei ainda mais feliz, nunca um macho falou isso pra mim.

Eu falei “amor, segura na minha cintura e deixa eu me dar pra você!

E fui metendo mais forte, eu jogava minha bunda pra trás e pra frente, agora era meu amor que gemia de prazer sentindo o calor do meu cuzinho, eu socava minha bunda sem dó na sua vara com muito tesão e amor. Empinei ainda mais minha bunda para dar e sentir aquele pau grande ir mais fundo, eu metia com meu cuzinho bem gostoso sentia meu gozo chegando.

Minha boceta já soltava todo aquele leitinho branco, eu fazia tudo que meu macho mandava, ia com a bunda pra frente só deixava a chapeleta dentro e voltava engolindo toda sua tora dentro do meu cuzinho, eu mesma ia laceando meu rabinho. Agora eu sei porque um cacete suculento grosso e grande proporciona tanto prazer pra uma mulher, eu mesma acelerei o vai e vem indo e vindo com a bunda pra frente e pra trás e me socava todo seu cacete no meu cuzinho.

Ele percebeu que eu estava gozando, meteu três dedos na minha boceta e aí gritei e gozei loucamente, e falei “amor, que delicia de cacete! Estou gozando muito, nunca um macho me deu tanto prazer como você!”

Aí senti o sabor de dar a bunda e ser muito bem enrabada por um macho superdotado, sem sentir dor. Quando ele estava prestes a soltar seu leite, tirou a sua tora do meu rabinho e me colocou de joelhos e segurando seu gozo, passou a toalha no seu cacete, limpou e me fez chupar suas bolas lisinha sem pelos, passei minha mão por baixo do seu saco e comecei fazendo uma massagem com a ponta de dois dedos na entrada do seu cuzinho.

Fernando abriu as pernas, era o sinal que eu queria, fui penetrando bem suave os dois dedos até o final no seu cuzinho, ele fechou os olhos e mordeu os lábios e tremeu. Percebi a chegada do seu gozo e fui chupando mais forte sua pica que estava enorme na minha boca, suguei até receber aquela cachoeira de porra adocicada, mas para agradecer pela foda maravilhosa só tirei meus dedos do seu anelzinho quando ele soltou os últimos pingos de porra na minha boca. Dei um beijo na chapeleta da sua pica e só acordamos no outro dia para almoçar.

Realmente com o Fernando encontrei a paz e o amor, é tudo muito gostoso e é bem nítido o prazer que ele sente em me enrabar. O tempo foi passando e esse amante delicioso hoje é meu marido, o homem com uma pica grossa e grande mais gostosa que uma mulher pode ter. O desejo que sinto por ele é tão grande que quando transamos sinto vontade de entrar dentro dele, só dos meus lábios tocarem na boca dele minha boceta fica toda melecada, só penso em dar. Eu Olga fiquei viciada em meter com ele, estou sempre pronta com meu rabinho que ficou literalmente dilatado e minha boceta com os grossos lábios dobrados pra fora, a disposição pra ele me comer quando quiser. Amo olhar pra ele e ver o jeito dele quando chega em casa excitado pra me foder inteirinha. Eu sinto muito prazer fazendo sexo anal, primeiro tenho que ser comida atrás para atingir um orgasmo profundo, é muito prazeroso e gostoso ser enrabada com muito carinho e amor como sou comida pelo Fernando já dei em todas as posições imagináveis… Agora sou uma mulher desejada e amada…

Beijos aos leitores com uma deliciosa chupada da minha boca gostosa nas picas gigantes e nas bocetas deliciosas…

Tayla
Eu gosto de ler e escrever contos eróticos, compartilhar minhas experiências sexuais com leitores desconhecidos me excita muito, saber que outras pessoas vão ficar com tesão lendo minhas histórias e fantasias eróticas. Algumas histórias são verdadeiras, outras parcialmente verdadeiras e em parte fruto da minha imaginação.
Se você gostou dos meus contos eróticos e quer entrar em contato comigo para trocar experiências e fantasias eróticas, deixe seu comentário abaixo. Responderei assim que for possível, especialmente se o comentário estiver bem quente e excitante...

    4 Comments

  1. Como é que o noivo ficou sabendo da pica do patrão?

    Sophie

    20 de January de 2019

    • Adorei esse conto Muito Exitante…
      Senpre leio contos assim para aprender mais alguns modos de satisfazer elas asra dar meu melhor .
      Nao sou um super dotado mas adoro chupar uma bucetinha
      Gosto de ouvir ela gemer gostoso p mim me chamando de cachorro , deixa ela bem molhada para deixa ela quente .

      Gabriel

      23 de March de 2019

  2. Linda Sophie grata por ti curtir a transa veredica da minha vida hoje sou bem casada e feliz com um macho super cacetudo e grosso ,bom na época meu ex noivo sempre as vezes ia fazer xixi, hoje com o meu atual marido dai ele sempre dava aquela olhadinha como todos os machinhos faz pra ver os tamanhos das picas dos outros … E quem não gosta de ver uma linda Pica grossa e grande mesmos sendo homens … Dai eles mesmos com tesão acabam falando pra esposas que o amigo dele é super dotado … E qual esposa/garotas/os não sente vontade de ser comidas/os por um cacete grosso e grande acima de 21 cm … Beijos da esposa Olga …

    Tayla Syan .

    1 de February de 2019

  3. Ficou louco com esse conto linda, loira e ainda ama dar um cuzinho, ahhh tudo q queria se pudesse , chupar sua buceta até gozar várias vezes na minha boca , ver vc bebendo meu leitinho, ahhh se pudesse

    Marcos

    26 de March de 2019

Post a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


Online porn video at mobile phone